Páginas

fevereiro 16, 2009


Fomos informados - em off - que o Bloco Bebe Rindo teria que responder judicialmente pelo seu samba enredo. O bloco que não obteve subsídios do governo para o desfile de Carnaval procurou as TVs e Rádios locais num manifesto público contra a decisão da Prefeitura de não reconhecer a quinta e a sexta na programação oficial do Carnaval e disse que desfilaria mesmo sem o apoio do governo, ainda que fosse "na marra". Os diretores do bloco, então, usaram o Orkut para divulgar a letra do seu samba enredo:

Iniciava-se ali uma polêmica. Membros do próprio bloco foram contra o conteúdo do samba e decidiram não desfilar. Enquanto isso, seus dirigentes procuravam a mídia para desabonar o Carnaval proposto pela Prefeitura. "Bastaria apenas que a Prefeitura nos desse a segurança para o desfile e estaríamos satisfeitos" - disse um dos seus diretores num programa de TV. Simultaneamente, a Secretaria de Comunicação divulgava a programação oficial do Carnaval e, contrariando todo esse discurso, lá estava o Bloco Bebe Rindo com direito a segurança, som e tudo mais. Era tarde demais. Seus foliões, que antes iriam desfilar "na marra", agora, segundo a diretoria, não estavam mais dispostos a ir pras ruas. A diretoria negou que o motivo dessa debandada estivesse relacionado com o samba porém a polêmica não terminaria ali. Questionados sobre as consequências judiciais, alguns diretores teriam negado que o samba divulgado na internet fosse o samba oficial do bloco.

O Bloco Bebe Rindo com seus 31anos ininterruptos de Carnaval agora vive esse dilema onde política e samba se confundem, afastando foliões e provocando polêmicas que ultrapassam os limites do confete e serpentina. A arte precisa ser livre, porém cabe a todo aquele que se sentir ofendido que procure seus direitos e pelo que parece será nessa trilha que o Bloco mais antigo de Teresópolis seguirá perdendo o compasso do samba.
.
Carnaval é festa, é alegria.
.
Sem complicações fica mais fácil.
.
Na última sexta o Secretário de Segurança Pública, Laet Moutinho, apresentou para vários representantes dos seguimentos da sociedade Teresopolitana alguns dos projetos para a solução do problema do trânsito no centro da cidade. Na ocasião, o secretário lembrou que é do seu interesse que a sociedade participe de cada um desses projetos.

Representantes das associações de moradores, do comércio e dos portadores de necessidades especiais participaram da reunião. Eles também apresentaram projetos que serão estudados, junto com os demais, pra que as mudanças cheguem o mais próximo possível da perfeição. Algumas das mudanças anunciadas dão conta da possível elevação do canteiro central.

Com a desubstrução da via principal, a velocidade média no local tende a aumentar e para prevenir acidentes o canteiro será elevado obrigando que as pessoas atravessem apenas pela faixa de pedestres. Pistas duplas serão criadas ao londo da Avenida Lúcio Meira e Feliciano Sodré, minimizando assim as retenções costumeiras do local.

O estacionamento será tranferido para o lado direito da pista, não sendo permitido, lógico, próximo aos pontos de ônibus que também serão reorganizados. Baias serão criadas nesses pontos evitando que haja retenção do trânsito sempre que aconteça uma parada. Folhetos educativos serão distribuídos e placas serão colocadas na intenção de favorecer o uso das vias alternativas. Portadores de necessidades especiais não serão esquecidos.

Ao fim da reunião o mesmo secretário que vem sofrendo ataques de um pequeno grupo político que foi derrotado nas últimas eleições, foi aplaudido de pé pelos representantes do comércio e das associações de moradores que ali estavam. Assista o vídeo abaixo e confira um pouco de tudo que foi dito por lá na última sexta:


O secretário lembrou que tão logo o projeto esteja completamente alinhavado, convocará uma coletiva pra que a imprensa divulgue o produto final desse complicado estudo que visa a desubstrução do trânsito no centro da cidade.

Mais uma exclusividade BADARTS.


"Los indios non morire nen nunca moriram."

Eles viajam por todo o planeta levando a música na bagagem. O grupo Peruano Raices de Los Andes vive das vendas dos seus cds e se apresenta em praças públicas com uma mistura de música andina com ritmos norte-americanos.

Entre as atrações dos seus shows está a vestimenta indígena norte-americana usada pelos músicos que entre solos de flautas e danças místicas, conquistam sempre os aplausos de quem assiste a performance artística da banda.



Um comentário:

Beto disse...

Excelente reportagem, é bom saber que ainda existe música de boa qualidade no mundo e nem tudo está perdido.

Roberto