Páginas

abril 03, 2009


Prefeito fala sobre a terceirização do lixo

Com o objetivo de esclarecer a população sobre a polêmica causada em torno da contratação da empresa para terceirizar a regularização da coleta de lixo e a operação do aterro controlado do município, o Prefeito Jorge Mario, acompanhado do Procurador Geral, Dr. Antônio Geraldo, afirmou que o Governo está resolvendo um problema originado em governos anteriores, como o descumprimento do TAC – Termos de Ajustamento de Conduta, feitos entre as gestões anteriores e o Ministério Público.

De acordo com o Prefeito Jorge Mario, o município está sendo penalizado com uma multa de R$ 1.000,00 por dia, desde 1995. “Desde 1995 existe o descumprimento de uma ordem judicial do Ministério Público que precisa ser regularizada. Com a contratação de uma empresa para tratar da regulamentação do lixo, estamos cumprindo determinações legais”, afirmou.
.
Entre as vantagens desta contratação, destaca-se a utilização de caminhões compactadores novos e estanques, que impedem o vazamento do chorume, além de modernos equipamentos de segurança para os cerca de 250 trabalhadores que serão contratados. “Estes funcionários varrerão aproximadamente 1.000km2 por mês, além da realização de capina com dez roçadeiras em terrenos baldios e vias públicas: locais que se não forem bem cuidados produzem acúmulo de água e geram a infestação de roedores e insetos”, alertou Jorge Mario, que explicou ainda que a empresa também recolherá entulhos e resíduos de jardins, além de fazer a lavagem de monumentos, praças e eventos públicos.

Outro serviço a ser realizado será a raspagem da areia que se acumula junto ao meio fio e a pintura do mesmo, dando assim mais segurança aos motoristas. O Prefeito salientou ainda a demolição das 66 casas verdes, utilizadas como depósito de lixo em locais de difícil acesso e foco de doenças e contaminação. “A coleta manual envolverá 40 homens designados especificamente para a coleta manual do lixo em locais de difícil acesso, como morros e vielas”, explicou.

Já no Aterro do Fischer, maquinário adequado e tratores farão o esteiramento e a compactação do lixo. Os caminhões não mais transitarão no local, evitando assim o problema da sujeira naquela rodovia, que causa acidentes e leva poeira às áreas residenciais. “É preciso salientar que nos fundamentamos em documentos do Ministério Público, da Secretaria do Meio Ambiente, Ibama, e da Procuradoria do Município para, definitivamente, resolvermos estes problemas”, disse.

O Prefeito detalhou ainda que o problema se arrasta desde 1995. “E, 1995 já havia a condenação de um TAC descumprido, cuja penalidade é a condenação por improbidade administrativa. No ano de 2001 foram consumidos R$ 7.766.067,35 para projetos e remediações, que não resolveram a situação.

Assista no vídeo abaixo:

video

'Ese é o cara', diz Obama referindo-se a Lula

"Esse é o cara", disse ontem o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao cumprimentar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no encontro dos líderes do G-20, em Londres, de forma descontraída. "O político mais popular da Terra", afirmou Obama ao primeiro-ministro da Austrália, Kevin Rudd, sobre Lula. "É porque ele é boa pinta", finalizou o presidente norte-americano.

A cena do encontro entre eles faz parte das filmagens oficiais da reunião do G-20, divulgada pela rede de televisão BBC. Os líderes e ministros de Finanças dos países do G-20, grupo formando por grandes economias desenvolvidas e emergentes que responde por 85% da produção mundial, se reúnem hoje em Londres. A cúpula deve resultar no anúncio de US$ 1 trilhão para irrigar a economia mundial, socorrer os países emergentes e em desenvolvimento em crise e estimular o comércio. Fato: Se pudesse, Lula se reelegeria fácil, outra vez e talvez por algumas outras.


O SESC Rio de Janeiro convida para o lançamento do livro A ESTRADA DE FERRO THEREZOPOLIS, do jornalista Wanderley Peres que acontecerá no dia 4 de Abril a partir das 17 horas na Biblioteca do Sesc de Teresópolis.

Em 7 de julho de 1890, um no antes da emancipação de Teresópolis, o governador Francisco Portella assinou, na Praça Baltazar da Silveira, um contrato entre o Estado do Rio de Janeiro e a empresa Estrada de Ferro Therezopolis para que fosse construída no planalto da Serra dos Orgãos uma cidade, que seria a nova capital do Estado, e uma linha férrea ligando essa cidade a Niterói.

Planejada a cidade, e iniciada sua construção, a Revolta da Armada, em 1893, antecipou os planos do Estado, levando para Petrópolis a capital, frustrando os projetos de Teresópolis. Sem cidade para construir e com o projeto que ligaria Niterói a "lugar nenhum", a empresa Estrada de Ferro Therezopolis insistiu no contrato, inaugurando em 1893, graças ao construtor José Augusto Vieira, o primeiro trecho da nossa linha férrea, que chegaria ao Alto de Teresópolis quase treze anos depois, em 19 de setembro de 1908.

O novo livro de Wanderley Peres conta essa história, fruto de pesquisa em documentos, livros e imagens, e em entrevistas, trazendo ainda a memória relatos publicados na imprensa sobre "A Estrada de Ferro Therezopolis", tão vital para o surgimento da cidade e que, apesar de extinta há poucos anos, é tão esquecida e ignorada pelo teresopolitano.
Confira algumas das imagens da Estrada de Ferro Therezopolis clicando no vídeo abaixo:

video

O BADARTS estará por lá. Participe você também de mais um ato de amor pela cidade.

Um comentário:

eneo disse...

sobre o lixo
transparência opaca: o governo deu explicações sobre os motivos e não sobre a forma da contratação. Ou seja, a polêmica não foi criada por terceiros, mas pela própria Prefeitura.


Eneo José Leite Coelho